Skip to main content

Aviso de Risco: Os CFDs são instrumentos complexos e acarretam um elevado risco de perda rápida de dinheiro devido à alavancagem. 73,77% das contas dos investidores não profissionais perdem dinheiro quando negoceiam CFDs com este prestador. Deve ter em conta se compreende como funcionam os CFDs e se pode assumir o elevado risco de perder o seu dinheiro. Por favor, clique aqui para ler o nosso Aviso de Risco na íntegra.

73,77% das contas dos investidores a retalho perdem dinheiro quando negoceiam CFDs com este prestador.

Ethereum
Ethereum

O que é o Ethereum e Ccomo é que o mesmo funciona: Um Guia para Principiantes

Com a segunda capitalização bolsista entre todas as criptomoedas, o Ethereum tem cativado muito a atenção dos investidores.

Esta cripto não é apenas um alterador status quo, mas também permite o desenvolvimento rápido e a implantação de novas aplicações. Essencialmente, o Ethereum permite a criação de dezenas de novas criptomoedas, extremamente inovadoras.

Não obstante o Ethereum ser obviamente útil para os criadores e para o mundo da tecnologia em geral, muitas pessoas com menos conhecimento sobre tecnologia têm problemas em compreendê-lo. Este guia foi especificamente concebido para as pessoas que pretendem aprender as noções básicas deste jogo de troca de moedas digitais.

O Que é o Ethereum?

Para compreender plenamente o que é o Ethereum, o que o mesmo faz e como pode afetar a nossa sociedade, devemos em primeiro lugar conhecer as suas características mais importantes e como e como é que as mesmas diferem da abordagem normal.

Para os principiantes, o Ethereum é um sistema descentralizado, o que significa que não é regulado por nenhuma autoridade governamental. A esmagadora maioria dos serviços online, negócios e empresas, baseiam-se no sistema de governo centralizado. Esta abordagem tem sido aplicada ao longo de séculos e, apesar de a história mostrar as suas desvantagens, muitas vezes, a mesma ainda é necessária quando não existe confiança entre as partes.

Tal abordagem centralizada significa o pleno controlo de uma única entidade, mas a mesma pode falhar. É por isso que as aplicações e servidores baseados neste sistema são extremamente vulneráveis a ataques de hackers e até mesmo a cortes de energia. Além disso, a maioria das redes sociais e outros serviços online exigem informações pessoais do utilizador, a qual será depois armazenada nos seus servidores. Essas informações pessoais podem ser facilmente roubadas pela própria empresa, pelos trabalhadores não fiáveis ou por hackers.

Como sistema descentralizado, o Ethereum é completamente autónomo, não sendo regulado por ninguém. Assim, não existe um ponto central em que falhar, já que a plataforma é executada por milhões de computadores de voluntários em todo o mundo e, por isso, não pode ficar desligada. Além disso, a informação pessoal do utilizador é armazenada nos computadores dos utilizadores, enquanto os conteúdos, tais como aplicações, vídeos, etc, se mantêm sob controlo pleno dos seus criadores, sem qualquer necessidade de seguir as regras dos prestadores de serviços de hospedagem, tais como a App Store ou o YouTube.

Em segundo lugar, é importante compreender que, embora o Bitcoin e o Ethereum sejam frequentemente comparados um com o outro, estes dois projetos, bem como respetivos objetivos, são completamente diferentes.

Ethereum vs. Bitcoin

O Bitcoin foi lançado em 2009 como a primeira criptomoeda de sempre, com o objetivo único de criar uma moeda universal descentralizada. Esta moeda não requereria qualquer instituição financeira intermediária, mas, ainda assim, garantiria transações seguras e válidas. Isso foi possível graças a uma tecnologia revolucionária chamada blockchain.

O blockchain é um livro digital que regista e verifica os registos continuamente. É utilizado para controlar e verificar transações Bitcoin. Desde que a rede global de nódulos de comunicação mantém a cadeia de blocos, a mesma é praticamente incorruptível. À medida que novos blocos são adicionados à rede, os mesmos são constantemente validados.

Semelhante ao Bitcoin, o Ethereum é uma rede blockchain distribuída ao público. Embora o Ethereum e o Bitcoin sejam ambos criptomoedas que podem ser extraídas ou trocadas entre os utilizadores, existem muitas diferenças substanciais entre ambas.

O Bitcoin, por exemplo, utiliza a blockchain para acompanhar a titularidade da moeda digital, o que o torna um sistema de dinheiro eletrónico extremamente eficaz. O Ethereum, por outro lado, concentra-se na execução do código de programação de uma aplicação. O Bitcoin tem um limite máximo de 21 milhões de Bitcoins que jamais será alcançado, enquanto a potencial oferta de Ethereum poderá ser virtualmente infinita. Além disso, o tempo médio de mineração do bloco de Bitcoin é de 10 minutos, enquanto o objetivo do Ethereum é não exceder 12 segundos, o que significa confirmações mais rápidas.

O Ethereum aproveitou a tecnologia por detrás do Bitcoin e ampliou, substancialmente, as suas capacidades. É uma rede completa com o seu próprio navegador de Internet, linguagem de codificação e sistema de pagamento. O mais importante é que a mesma permite que os utilizadores criem aplicações descentralizadas na Blockchain do Ethereum.

Estas aplicações podem ser ideias completamente novas ou revisões descentralizadas de conceitos existentes. Essencialmente, isto elimina o intermediário e todas as despesas associadas à participação de terceiros. Por exemplo, o único ganho que advém dos "likes" dos utilizadores e "partilha" de publicações do seu músico favorito no Facebook é gerado a partir de um anúncio colocado na sua página e vai diretamente para o Facebook. Numa versão Ethereum da rede social, tanto os artistas como o público iriam receber prémios pela sua comunicação e suporte positivo. Similarmente, numa versão descentralizada do Kickstarter, não ficaria apenas por um dispositivo pela sua contribuição para a empresa, devendo receber uma parte dos futuros lucros da empresa. Finalmente, as aplicações baseadas no Ethereum eliminam todos os tipos de pagamentos a terceiros para a prestação de serviços de qualquer natureza.

Em resumo, o Ethereum é uma plataforma de software de fonte aberta, distribuída, pública, baseada em Blockchain que permite que os criadores construam e implementem aplicações descentralizadas.

Conforme mencionado, o Ethereum é um sistema descentralizado, o que significa que utiliza uma abordagem peer-to-peer. Cada interação individual ocorre apenas entre os utilizadores que participem na mesma, sem a intervenção de qualquer autoridade reguladora.

Blockchain Ethereum

Todo o sistema Ethereum é suportado por um sistema global de nódulos que são os voluntários que descarregam a Blockchain Ethereum para os seus computadores e fazem cumprir todas as regras de consenso do sistema, mantendo a rede justa e recebendo recompensas em troca.

O Que é um Contrato Inteligente?

Essas regras de consenso, bem como muitos outros aspetos da rede, são ditadas por contratos inteligentes. O contrato inteligente é apenas uma expressão utilizada para descrever um código de computador, concebido para executar transações automaticamente e outras ações específicas, no âmbito de uma rede com partes que não são necessariamente fiáveis. Os termos que ambas as partes devem cumprir são pré-programados no contrato. A conclusão destes termos despoleta uma transação ou qualquer outra ação específica. Devido ao facto de os contratos inteligentes serem executados na blockchain, os mesmos são executados exatamente conforme programado, sem possibilidade de censura, inatividade, fraude ou interferência de terceiros. Muitas pessoas acreditam que os contratos inteligentes são o futuro e, eventualmente, vão substituir todos os outros acordos contratuais, já que a implementação do contratos inteligentes oferece uma maior segurança à lei dos contratos tradicionais, reduz os custos de transação associados à contratação e estabelece a confiança entre ambas as partes.

Máquina Virtual Ethereum (EVM)

A principal inovação do Ethereum, a Máquina Virtual Ethereum (EVM) é um software Turing completo que é executado na rede Ethereum. A máquina virtual Ethereum está concebida para funcionar como um ambiente de tempo de execução para contratos inteligentes, com base no Ethereum. A mesma torna o processo de criação da aplicação blockchain muito mais fácil e mais eficiente do que nunca. Ao invés de ter de construir uma blockchain completamente original para cada nova aplicação, o Ethereum permite o desenvolvimento potencial de milhares de aplicações diferentes, tudo numa única plataforma.

Como a máquina virtual Ethereum está completamente isolada do resto da rede principal, a mesma representa um ambiente de teste perfeito. Qualquer empresa que procure criar um contrato inteligente poderá fazê-lo utilizando a EVM, sem afetar as principais operações da block chain. Para além disso, a EVM pode ser vista como um "ambiente de aprendizagem" para construir contratos inteligentes mais extensos, melhores e também mais robustos.

O Ethereum é uma criptomoeda?

O Ethereum é uma criptomoeda?

Por definição, o Ethereum é uma plataforma de software que tem como objetivo atuar como uma Internet e como uma loja de aplicações descentralizadas. Um sistema como este necessita de uma moeda para pagar os recursos computacionais necessários para executar uma aplicação ou um programa. É aqui que o Éter entra em cena.

O Éter (ETH) é um portador de ativos digitais e não precisa de terceiros para processar o pagamento. No entanto, o mesmo não funciona apenas como uma moeda digital, também age como uma espécie de combustível para aplicações descentralizadas dentro da rede. Se um utilizador pretender mudar algo numa das aplicações no contexto do Ethereum, deve pagar um custo de transacção de modo a que a rede possa processar a mudança.

Os custos de transação são calculados automaticamente com base na quantidade de "combustível" que uma ação exige. A quantidade de combustível necessária é calculada com base na quantidade de energia necessária e no tempo que demora a executar a transação.

Quem Criou o Ethereum?

No final de 2013, Vitalik Buterin descreveu a sua ideia num papel branco, que enviou a alguns dos seus amigos, que, por sua vez, o reencaminharam ainda mais. Consequentemente, cerca de 30 pessoas abordaram Vitalik para discutir o conceito. Ele estava à espera de críticas e que as pessoas apontassem erros críticos ao conceito, mas isso nunca aconteceu.

O projeto foi anunciado publicamente, em Janeiro de 2014, com a equipa principal composta por Vitalik Buterin, Mihai Alisie, Anthony Di Iorio, Charles Hoskinson, Joe Lubin e Gavin Wood. Buterin também apresentou o Ethereum numa conferência Bitcoin, em Miami, e apenas alguns meses mais tarde, a equipa decidiu organizar uma "venda ao público" de Ethereum (ETH), o nativo modena da rede, para financiar o desenvolvimento.

Como é que Funciona o Ethereum?

Conforme mencionado anteriormente, o Ethereum é baseia-se no protocolo Bitcoin e no design da Blockchain, mas está ajustado de forma a que as aplicações que não sejam sistemas de dinheiro possam ser compatíveis com o mesmo. A única semelhança entre as duas Blockchains é que as mesmas armazenam históricos de transações completas das suas respetivas redes, mas a Blockchain do Ethereum faz muito mais do que isso. Para além do histórico de transações, cada nódulo da rede Ethereum também precisa de descarregar o estado mais recente ou atual de cada contrato inteligente dentro da rede, o saldo de cada utilizador, o código de todo o contrato inteligente e o local em que o mesmo está armazenado.

Cada estado Ethereum consiste em milhões de transações. Essas transações são agrupadas para formar 'blocos', e cada bloco em cadeia com os seus anteriores blocos. Mas antes de ser possível adicionar a transacção ao livro razão, a mesma terá de ser validada através de um processo chamado de mineração.

A mineração é um processo em que um grupo de nódulos aplica o seu poder de computação para cumprir um desafio 'prova de trabalho' que corresponde, essencialmente, a um enigma matemático. Quanto mais poderoso for o seu computador, mais rapidamente conseguirá resolver o puzzle. Uma resposta a este enigma é, em si, uma prova de trabalho, e garante a validade de um bloco.

Muitos mineiros de todo o mundo competem uns com os outros, numa tentativa de criar e validar um bloco, já que, de cada vez que um mineiro experimenta um bloco, novos tokens de Ethereum (ETH) são gerados e dados a esse mineiro. Os mineiros constituem a espinha dorsal da rede Ethereum, já que eles, não só confirmam e validam transacções e qualquer outra operação dentro da rede, mas também geram novos tokens da moeda da rede.

Para Que é Que o Ethereum Poderá ser usado?

Primeiro, o Ethereum permite que os criadores criem e implementem aplicações descentralizadas. Além disso, qualquer serviço centralizado pode ser descentralizado utilizando a plataforma Ethereum. O potencial da plataforma Ethereum para criar aplicações não é limitado por nada, a não ser pela criatividade dos criadores.

As aplicações descentralizadas têm o potencial de alterar completamente a relação entre as empresas e o seu público-alvo. Atualmente, existem muitos serviços que cobram comissões pelo simples facto de prestarem um serviço de custódia e oferecerem uma plataforma para os utilizadores trocarem bens e serviços. Por outro lado, a Blockchain Ethereum poderá permitir que os clientes localizem as origens do produto que estão a comprar, enquanto que a implementação de contratos inteligentes poderá garantir um câmbio seguro e rápido, para ambas as partes, sem qualquer intermediário.

Basicamente, a Blockchain do Ethereum consegue emprestar os seus princípios básicos (confiança, transparência, segurança e eficiência) a qualquer serviço, negócio ou indústria.

O Ethereum também pode ser usado para criar Organizações Autónomas Descentralizadas (DAO) que funcionam de uma forma completamente transparente e, independentemente de qualquer intervenção, sem um líder. As DAO's são executadas pelo código de programação e uma coleção de contratos inteligentes escritos na Blockchain. Foram projetadas para acabar com a necessidade de uma pessoa ou de um grupo de pessoas controlarem uma organização, de forma plena e central.

As DAO's são propriedade de pessoas que compraram tokens. No entanto, a quantidade de tokens comprados não é sinónimo de participações e de direitos de propriedade. Os tokens, por outro lado, são contribuições que concedem o direito de voto às pessoas.

Vantagens do Ethereum

Vantagens do Ethereum

A plataforma Ethereum beneficia de todas as propriedades da tecnologia Blockchain na qual é executada. Está totalmente imune a intervenções de terceiros, o que significa que todas as aplicações descentralizadas e DAOs implantadas na rede não podem ser controladas por ninguém.

Qualquer rede Blockchain é formada em torno de um princípio de consenso, o que significa que todos os nódulos do sistema devem concordar acerca de qualquer alteração que ocorra no âmbito do mesmo. Isto elimina as possibilidades de fraude, corrupção e torna a rede inviolável.

Toda a plataforma é descentralizada, o que significa que não há um único ponto de possível falha. Assim, todas as aplicações permanecerão sempre online e nunca serão desativadas. Além disso, a natureza descentralizada e a segurança criptográfica protegem bem a rede Ethereum contra possíveis ataques de hackers e atividades fraudulentas.

Desvantagens do Ethereum

Embora os contratos inteligentes estejam concebidos para tornar a rede à prova de falhas, os mesmos são apenas tão bons como as pessoas que escrevem o seu código. Há sempre espaço para erro humano e qualquer erro no código poderia ser explorado. Se isso acontecer, não há nenhuma forma direta de parar um ataque por parte de hackers ou a exploração do erro. A única forma possível de fazer isso seria chegar a um consenso e reescrever um código subjacente. No entanto, isso vai completamente contra a própria essência da Blockchain, uma vez que é suposto que a mesma seja um livro razão imutável.

A DAO, como é conhecida para uma DAO em particular lançada a 30 de abril de 2016, foi atacada e mais do que 3,6M de tokens de Ethereum foram roubados. O invasor explorou o erro de chamada recursiva do código, drenando simplesmente os fundos da DAO para uma pequena DAO que tinha a mesma estrutura. A perda de uma grande parte dos fundos da DAO não foi a única consequência do ataque, pois, basicamente, minou a confiança dos utilizadores de toda a rede Ethereum, com o preço o ETH a cair de mais de 20 dólares para menos de 13 dólares.

Como obter Ethereum (ETH)

Existem duas principais formas de obter Ethereum : comprá-lo ou miná-lo.

A forma mais comum e talvez mais conveniente de comprar Ethereum é em bolsa. Encontre uma bolsa que venda Ethereum e opere no âmbito da sua jurisdição, configure uma conta e utilize a sua conta bancária, transferência bancária ou até mesmo o seu cartão de crédito para comprar tokens de Ethereum . Os mesmos devem ser armazenados numa wallet que poderá ser oferecida pela própria bolsa, pelo navegador nativo Mist do Ethereum ou por outros serviços especializados.

Como mencionamos anteriormente, a compra de uma criptomoeda numa bolsa poderá levar a algumas complicações, tais como o processo de verificação da conta, comissões, etc. Para ganhar com a compra e venda do Ethereum , diretamente, terá que o comprar pelo custo total, o que não lhe permitirá ganhar um rendimento decente, se tiver fundos limitados atualmente. Além disso, há casos de ataques massivos de wallet, caso em que você correrá o risco de perder todos os seus investimentos, sem possibilidade de retorno (não se esqueça que o sistema é descentralizado e que nenhum banco irá salvá-lo).

Outra forma de obter tokens de Ethereum (ETH) é através da sua mineração. A mineração do Ethereum envolve prova de trabalho, o que significa que os mineiros contribuem com seu poder de computação para resolver problemas matemáticos complexos, a fim de vedar e confirmar um bloco de ações dentro da rede. Os mineiros que concluam esta tarefa com êxito recebem uma recompensa por cada bloco minerado.

 Mineração do Ethereum

Até à data, a mineração do Ethereum tornou-se muito mais complicada e requer equipamento caro para gerar um rendimento perceptível, enquanto que os preços das placas de vídeo ainda são elevados.

Por outras palavras, a posse física do Ethereum , bem como de outras criptos, acarreta certas complexidades e riscos e nós não recomendamos que compre qualquer criptomoeda, se não tiver a certeza absoluta sobre o porquê de estar a fazê-lo.

Esperamos que tenha considerado esse artigo útil. Não hesite em partilhar as suas dúvidas ou sugestões na secção de comentários.

Além disso, convidamo-lo a abrir uma conta demo grátis na Libertex e a começar a negociar Éter agora! Também oferecemos aulas grátis sobre como negociar CFD's. Tenha um bom dia!

Porquê negociar com a Libertex?

  • Obtenha acesso a uma conta demo gratuita, livre de taxas. 
  • Aproveite o suporte técnico de um operador, 5 dias por semana, das 9:00 às 21:00 (Hora da Europa Central).
  • Use um multiplicador de ate 1:30 (para clientes de retalho.
  • Opere numa plataforma para qualquer dispositivo: Libertex e MetaTrader.
Para trás