Skip to main content

Aviso de Risco: Os CFDs são instrumentos complexos e acarretam um elevado risco de perda rápida de dinheiro devido à alavancagem. 73,77% das contas dos investidores não profissionais perdem dinheiro quando negoceiam CFDs com este prestador. Deve ter em conta se compreende como funcionam os CFDs e se pode assumir o elevado risco de perder o seu dinheiro. Por favor, clique aqui para ler o nosso Aviso de Risco na íntegra.

73,77% das contas dos investidores a retalho perdem dinheiro quando negoceiam CFDs com este prestador.

cbds

Bancos centrais elegantemente atrasados para a festa

Fri, 04/02/2021 - 14:22

Os últimos 12 meses foram uma corrida na montanha-russa das moedas digitais e dos seus titulares. Surgiram inúmeros milionários, e estes instrumentos foram finalmente acolhidos no seio dos investidores institucionais. Compreensivelmente, o destaque tem estado focado nos ativos legados como Bitcoin, Ethereum e Litecoin. Mas para além do crescimento explosivo destas moedas conhecidas, há desenvolvimentos ainda mais importantes no espaço cripto. À medida que a procura de ativos digitais dispara de Wall Street a Main Street, os bancos centrais mundiais estão a começar a querer entrar em ação.

Há quase três anos que se fala seriamente nas moedas digitais do Banco Central (CBDCs), e praticamente todos os principais reguladores do mundo têm preparado o lançamento das suas próprias versões com diferentes níveis de zelo. Seguiu-se a COVID-19, que deu origem a uma rápida aceleração dos esforços de implementação. Sem surpresa, a China é, de longe, o projeto CBDC mais avançado neste momento, tendo já realizado testes práticos a uma série de soluções de pagamento eletrónico em moeda digital (DCEP) em 2020. Mas a China não está sozinha; no início de 2020 assistiu-se também à criação de um grupo de trabalho transfronteiriço, representando cinco moedas de reserva mundial (CAD, EUR, JPY, CHF e GBP) e SEK.

EUA vs eles

Sem querer ser ultrapassado pelos seus homólogos de todo o mundo, o Presidente da Reserva Federal, Jerome Powell, fez alguns comentários reveladores sobre o projeto CBDC dos Estados Unidos numa recente audição no Congresso. Powell chegou ao ponto de confirmar que a Fed teria como objetivo envolver-se com o público em relação ao dólar digital este ano (2021), acrescentando que competia ao Congresso dar ao regulador dos EUA a “autorização legislativa” para o projeto. A Presidência da Fed deixou claro que o novo CBDC não seria utilizado para manipular os mercados, sublinhando a necessidade de ter muito cuidado com o design do dólar digital, para garantir que não compromete o funcionamento saudável do sistema financeiro dos EUA.

Todos são vencedores

Temos de assumir a verdade de que o apelo das alternativas digitais às moedas fiduciárias tradicionais só irá crescer no futuro, à medida que os millennials e a Geração Gz começam a ultrapassar as gerações mais antigas. Os sinais estão aí: os atores financeiros mais jovens - com a sua cultura enraizada de satisfação imediata - não estão dispostos a esperar vários dias até que um pagamento fique concluído. Além disso, oferece às pessoas desfavorecidas e sem banco um acesso mais fácil e mais seguro ao dinheiro, e podem ajudar a combater a atividade ilegal que acompanha, frequentemente, as moedas digitais. Mas não são apenas os consumidores que irão beneficiar. Como reporta o FMI, o custo de gestão e de transferência de dinheiro é alto. e a tecnologia CBDC poderá reduzir despesas, ao mesmo tempo que acelera a implementação da política monetária do banco central.

Fique à frente na competição

Independentemente daquilo que possamos pensar, os bancos centrais e os emitentes soberanos não formam um monopólio total. Na verdade, as ineficiências dos sistemas de pagamento fizeram com que o aumento de vários prestadores fintech/BaaS, como a Square e a Adyen, preenchessem o vazio deixado pela infraestrutura existente. Além disso, os próprios CBDCs já têm concorrência em stablecoins emitidas de forma privada, como o Tether e, potencialmente, a Libra. Tal como o Governador da Fed, Lael Brainard, afirmou: "a introdução da Bitcoin e o subsequente surgimento das stablecoins, com alcance potencialmente global, levantaram questões fundamentais sobre salvaguardas legais e regulamentares, a estabilidade financeira e o papel da moeda na sociedade”. Assim sendo, essas últimas iniciativas políticas da CBDC são absolutamente necessárias para que os bancos centrais mantenham o controlo sobre as suas próprias moedas na era cripto.

Moeda fiduciária com novo nome, ou algo de novo?

A única questão que se coloca é a de saber se estas novas moedas serão apoiadas por algo. É evidente que a confiança das pessoas na moeda fiduciária está a diminuir à medida que se perguntam durante quanto tempo é que as taxas de juro e o MMT cada vez mais baixos conseguirão aguentar. Muitos analistas têm abordado a Bitcoin como um potencial novo "padrão do ouro digital" para o sistema financeiro mundial do futuro. Se isso se demonstrar verdadeiro, teremos mais um enorme aumento do valor da BTC, capaz de anular as altas de 2018 e 2020. Ninguém sabe o que vai acontecer, mas uma coisa é certa: se a Bitcoin se transformar na reserva global, podemos ter um salto gigantesco de 10, 20 ou até 30 vezes ao longo dos próximos anos!