Skip to main content

Aviso de Risco: Os CFDs são instrumentos complexos e acarretam um elevado risco de perda rápida de dinheiro devido à alavancagem. 78,31% das contas dos investidores não profissionais perdem dinheiro quando negoceiam CFDs com este prestador. Deve ter em conta se compreende como funcionam os CFDs e se pode assumir o elevado risco de perder o seu dinheiro. Por favor, clique aqui para ler o nosso Aviso de Risco na íntegra.

78,31% das contas dos investidores a retalho perdem dinheiro quando negoceiam CFDs com este prestador.

eurusd-parity

Euro e dólar americano atingem paridade pela primeira vez em duas décadas

Fri, 07/15/2022 - 22:19

Parecia quase certo que um euro sempre valeria pelo menos US$ 1,10. De fato, de 2007 a 2014, a moeda única teve uma média de cerca de US$ 1,40 e até parecia que atingiria US$ 1,60 após a crise financeira global de 2007-2008. Como o todo-poderoso caiu desde então! Pois é. Pela primeira vez em vinte longos anos, o euro e o dólar dos EUA estão em paridade. Mas a questão continua: como chegámos aqui e o que significa para traders e investidores?

Porquê o euro?

Muitos apontaram a pandemia como catalisadora da desaceleração do euro e, embora certamente tenha desempenhado um papel na precipitação dessa última etapa até à paridade, a desvalorização já se tinha estabelecido muito antes. A pandemia do coronavírus, as inevitáveis ​​rupturas na cadeia de abastecimento, e a política monetária branda que isso gerou, atiçaram as chamas da inflação. E num mundo de matérias-primas denominadas em dólar, levou naturalmente à depreciação do euro. Mas a pandemia foi o Cavalo de Troia global que afetou praticamente todos os países e moedas do mundo, porque é que o euro foi mais atingido que o resto? A resposta curta é – não foi. O iene Japonês foi tão afectado como a libra britânica, com as três moedas a descer mais de 12% de YTD.

Causa e efeito

Agora que estabelecemos que não é um problema do euro, mas sim um problema de qualquer moeda face ao dólar, podemos começar a analisar devidamente os motivos e o ponto em que nos encontramos. O verdadeiro ponto de viragem para a maioria das principais moedas foi 2014. O dano desta tendência de baixa de oito anos está agora próximo de um aumento de 30%, e não há sinais de inversão para breve. 

E, como de costume, a política do banco central desempenhou um papel importante. Enquanto a Reserva Federal dos EUA manteve a sua taxa de juro acima de zero durante a última década, o Banco Central Europeu (BCE) e o Banco do Japão (BoJ) estiveram em território negativo durante vários anos. É claro que isto torna mais difícil reagir eficazmente a uma crise como a pandemia, limita possíveis medidas de estímulo e, simultaneamente, complica a subsequente normalização da política. Enquanto a Fed e o Banco de Inglaterra conseguiram aumentar as taxas de juro para 1,75% e 1,25% respetivamente, o BoJ e o BCE continuam abaixo dos 0% à medida que a inflação cresce.

Recessões globais ameaçam

Com toda esta conversa sobre os ganhos do dólar, é fácil perder de vista o fato de que isso é tão mau para os EUA quanto para a UE. Um dólar forte significa que as exportações dos EUA são mais caras e, por conseguinte, menos competitivas. Falar em países europeus que trocam fornecedores de gás pelo Henry Hub, por exemplo, não faz sentido, pois essa opção, que já era cara, é agora 12 a 15% mais cara. Em plena crescente crise energética, os combustíveis fósseis em geral ficaram muito mais caros do que o petróleo, independentemente da sua origem, são negociados em dólares dos EUA. 

Isso, por sua vez, aumentará ainda mais a pressão sobre a indústria europeia no pior momento possível. Na verdade, a maior economia da Zona Euro, a Alemanha, registou o seu primeiro défice comercial de mercadorias desde 1991. À medida que o aperto monetário prossegue, o que é absolutamente necessário, o risco de tanto os EUA como a Europa mergulharem numa recessão aumenta.

Então, onde está o dinheiro inteligente?

Basicamente, em qualquer lugar além do euro e do JPY. Realmente, a migração para moedas de refúgio como o dólar americano e o franco suíço já está em andamento e só parece intensificar à medida que os aumentos das taxas continuam. De fato, numa nota da semana passada, o chefe global de pesquisa FX do Deutsche, George Saravelos, alertou os investidores de que a fuga para o dólar pode ser ainda mais extrema se a Fed continuar a apertar, empurrando ainda mais os EUA e a zona do euro para a recessão.

Pode pensar que as ações acabariam por ser prejudicadas por estes desenvolvimentos, embora tenham conseguido desafiar as expectativas dos analistas até agora, com toda a sabedoria convencional a contradizer as recentes altas do mercado. Além do dólar, outros grandes beneficiários do fluxo de capitais e de outros ativos de risco teriam de ser o ouro e a prata. O metal dourado já subiu 12% YTD e pode revelar-se uma excelente vantagem contra a inflação adicional.

Negoceie as descidas e subidas com a Libertex

A Libertex liga pessoas comuns aos mercados financeiros há um quarto de século, e oferece uma ampla variedade de CFDs, desde Forex, matérias primas, ações, ETFs e criptomoedas. Além do par EUR/USD e do Índice do Dólar dos EUA, também oferecemos a capacidade de negociar ativos subjacentes como ouro, prata e petróleo/gás. E como a Libertex permite posições longas e curtas, pode abrir uma negociação dependendo da direção que acha que o mercado vai tomar.

 

Alerta de Risco: Os CFDs são instrumentos complexos e acarretam um elevado risco de perda de dinheiro rápida devido à alavancagem. 62.2% das contas de investidores retalhistas perdem dinheiro ao negociar CFDs com este prestador. Spreads baixos aplicáveis. Verifique os nossos spreads na plataforma. Disponível para clientes de retalho na Plataforma de Negociação Libertex. Deve considerar se entende ou não como é que funcionam os CFDs e se pode ou não sujeitar-se a correr o elevado risco de perder o seu dinheiro.