Skip to main content

Aviso de Risco: Os CFDs são instrumentos complexos e acarretam um elevado risco de perda rápida de dinheiro devido à alavancagem. 78,31% das contas dos investidores não profissionais perdem dinheiro quando negoceiam CFDs com este prestador. Deve ter em conta se compreende como funcionam os CFDs e se pode assumir o elevado risco de perder o seu dinheiro. Por favor, clique aqui para ler o nosso Aviso de Risco na íntegra.

78,31% das contas dos investidores a retalho perdem dinheiro quando negoceiam CFDs com este prestador.

inflation-dip

Traders e investidores procuram por oportunidades com a queda da inflação europeia

Wed, 08/23/2023 - 12:17

Os últimos anos foram pesados para a Europa. Para além da crise energética e incerteza geopolítica que avassalou o continente, a inflação manteve-se solidamente acima da taxa desejada, com a ocasional ameaça de entrar em território de hiperinflação. Certamente, os residentes da Zona Euro não irão esquecer o tórrido quarto trimestre de 2022, quando a pressão sobre os preços atingiu uma média superior a 10%, com um recorde de 11,5% em outubro. Mas, depois da tempestade vem a calma, e parece que o pior já passou para o Velho Continente, apesar de persistirem outros problemas sem um final à vista.

Desde julho de 2023, a inflação na União Europeia desceu 6,1%, enquanto na Zona Euro, este valor alcançou os 5,5%. Naturalmente, ainda é uma taxa significativamente superior à típica meta de 2%, mas é certamente uma grande melhoria em relação ao valor de dois dígitos apresentados anteriormente. Também é sinal de que a política mais agressiva do BCE está a funcionar como pretendido, e que existe a possibilidade de evitar um novo aumento das taxas de juro em setembro. Servindo como contexto, a Grã-Bretanha pós-Brexit luta contra uma inflação de 6,8% e é provável que o Banco da Inglaterra (BoE) agrave novamente as taxas de juro em 25 pontos base no outono. Claro, o que é realmente importante para os traders e investidores é a forma como isto irá afetar os seus investimentos. Neste artigo, iremos analisar o provável impacto desta nova tendência sobre várias classes de ativos, incluindo ações, commodities e Forex.

Negócio equitativo

Após atingirem patamares extraordinários em 2020–2021, as ações regressaram de forma abrupta à realidade em 2022. Seguiu-se um período aparentemente infindável de estagnação para muitos tickers. Algumas das empresas mais afetadas foram as que mais lucraram na era da pandemia. Por exemplo, a GameStop, venerada pelos "investidores meme", aumentou menos de 1% desde que embateu no fundo em janeiro deste ano. A DocuSign, Salesforce e PayPal contam uma história semelhante. Na verdade, apenas empresas extremamente competitivas e bem financiadas, como a Tesla e Palantir, conseguiram regressar ao crescimento em 2023.

Pode parecer impressionante que estas duas gigantes da tecnologia tenham subido em média 115%, a 233,19 e 14,67, respetivamente, mas estes preços continuam a ser 50% inferiores em comparação aos seus valores máximos históricos, garantindo imenso potencial de crescimento para o futuro. A China apresenta um cenário similar, com algumas das suas maiores empresas, como a Tencent, Alibaba e Baidu a definharem com valores mínimos plurianuais, suplicando pelo resgate de potenciais investidores. Entretanto, o índice EuroStoxx 600 apresenta uma subida de 13% desde 2000, praticamente há duas décadas. Os preços atuais das ações em todos os cantos do mundo representam uma excelente oportunidade de investimento, e enquanto a inflação continua a cair, o interesse por ativos de risco como as ações irá certamente aumentar, potencialmente despertando um novo ciclo bullish em 2024.

Ouro, prata e muito mais

Qualquer investidor da "velha guarda" acredita piamente que os ativos físicos são a melhor opção em períodos de elevada inflação. Alguns gostam de ouro e prata, outros preferem metais industriais como o cobre e platina, os restantes mantêm-se fiéis ao tradicional barril de petróleo. No entanto, num mundo em constante metamorfose, as estratégias tradicionais nem sempre preservam a sua eficácia. O metal amarelo, por exemplo, permaneceu significativamente estagnado desde o final da pandemia, apresentando um aumento de apenas 25% em comparação aos seus níveis pré-COVID. Após provocar os investidores, quase alcançando o seu nível máximo histórico de 2014 $ por onça Troy em abril deste ano, o valor do ouro diminuiu aproximadamente 5% para 1914 $, na data da redação deste artigo (23/08), e parece que o famoso superciclo das matérias-primas está decididamente fora de questão.

A história é semelhante para a prata, atualmente com um valor de 23 $ por onça, abaixo dos 26 $ registados no final do segundo trimestre de 2023. Os preços dos futuros do cobre também caíram cerca de 10% durante o mesmo período, indicando uma tendência consistente entre todas as reservas de valor e metais industriais. Apesar da incerteza geral, as commodities ainda não conseguiram providenciar o porto de abrigo tipicamente previsto pela maioria dos investidores. Com a inflação, estas perdas de 10% são, na verdade, são ainda mais pronunciadas. A força do dólar é o verdadeiro motivo para este fenómeno, mas iremos analisar esse fator mais tarde.

Não se esqueça do Forex

Seguindo a sabedoria tradicional em cenários com a inflação bastante superior à média, é sensato manter alguma distância da moeda fiduciária. No entanto, neste caso específico, essa mesma filosofia pode ser excessivamente simplista. Certamente que ainda ninguém esqueceu a histórica paridade alcançada entre o dólar americano e o euro em novembro de 2022. Bem, desde então, acalmaram-se os ânimos, mas o greenback continua bastante mais forte, comparativamente ao seu ímpeto durante o período da pandemia. E como praticamente todos os ativos são cotados em dólares americanos, quaisquer ganhos obtidos devem ser equilibrados com o valor da moeda nacional dos EUA. 

No entanto, as melhores oportunidades do mercado Forex não surgem em pares com o USD, mas sim nas taxas de câmbio. Como já mencionámos anteriormente, o BCE está a lidar com a inflação de forma bastante mais eficiente do que o Banco da Inglaterra, e isso está claramente refletido no GBP/USD. Desde o início do mês, o par subiu de 1,15 para 1,17, e parece que esta tendência irá continuar, a menos que o regulador do Reino Unido seja mais decisivo em matéria de taxas de juro durante o outono. No entanto, é uma tarefa bastante difícil, considerando a atual crise do aumento do custo de vida num país com uma taxa extremamente elevada de proprietários de imóveis, que torna a nação insular particularmente sensível a quaisquer agravamentos das taxas de juro. Os investidores mais astutos vão aguardar, reconhecendo ser mais benéfico preservar o seu capital no GBP/EUR por enquanto, em vez de participar em classes de ativos mais arriscadas como as ações e as criptomoedas. 

Negocie tudo com a Libertex

A Libertex é uma corretora respeitada a nível mundial, com vários anos de experiência a abrir as portas dos mercados internacionais a traders e investidores comuns. A Libertex oferece CFDs numa vasta seleção de classes de ativos, desde ações, índices e ETFs, incluindo a Tesla, Salesforce, Tencent e o índice EuroStoxx 50, a commodities e pares Forex como o XAU/USD e EUR/GBP. Com o nosso modelo de negociação de CFDs, pode abrir posições curtas ou longas em todos os ativos subjacentes, sem comprar diretamente os instrumentos financeiros. Adicionalmente, a app multipremiada da Libertex permite-lhe controlar todo o seu portefólio num único local. Para obter mais informações ou criar a sua própria conta de trading, visite a página https://libertex.com/signup

Alerta de Risco: Os CFDs são instrumentos complexos e acarretam um elevado risco de perda de dinheiro rápida, devido à alavancagem. 77,77% das contas de investidores não profissionais perde dinheiro ao negociar CFDs com esta corretora. Aplicam-se spreads reduzidos. Verifique os nossos spreads na plataforma. Deve ter em conta se entende como funcionam os CFDs e se pode dar-se ao luxo de correr o alto risco de perder o seu dinheiro.