Skip to main content

Aviso de Risco: Os CFDs são instrumentos complexos e acarretam um elevado risco de perda rápida de dinheiro devido à alavancagem. 73,77% das contas dos investidores não profissionais perdem dinheiro quando negoceiam CFDs com este prestador. Deve ter em conta se compreende como funcionam os CFDs e se pode assumir o elevado risco de perder o seu dinheiro. Por favor, clique aqui para ler o nosso Aviso de Risco na íntegra.

73,77% das contas dos investidores a retalho perdem dinheiro quando negoceiam CFDs com este prestador.

inflation

O que aconteceu em 2022? Um resumo enquanto nos aproximamos do final do ano

Thu, 12/15/2022 - 16:07

Com o final de 2022 a aproximar-se, estamos felizes por virar as costas a um dos anos mais difíceis da nossa história recente. Para além de testemunharmos quedas devastadoras na maioria das classes de instrumentos, o mundo está atormentado pela subida da inflação, insegurança no sector energético e ruturas nas cadeias de abastecimento. Praticamente todos os ativos de risco entraram em queda livre, com golpes particularmente duros nas ações do sector tecnológico e no mercado das criptomoedas.

Os preços do gás e petróleo subiram para níveis insustentáveis, assim como os preços da maioria dos bens de consumo. O impacto foi ainda mais dramático para os cidadãos europeus, com a desvalorização do euro e da libra esterlina face ao dólar. Até o valor do ouro se tem mantido relativamente "plano", considerando a dimensão da carnificina económica atual. Portanto, quais são os mecanismos responsáveis pela situação crítica do mercado? Será que 2023 irá agraciar os traders e investidores com um período necessário de descanso e estabilidade?

Avaliar os danos

Não é segredo que o mercado das ações tem estado em declínio desde novembro de 2021. Muitos esperavam uma correção temporária, mas as ações desafiaram as probabilidades e continuaram em queda nos últimos doze meses. O principal índice dos EUA, o S&P 500, desceu 15% em média desde o início do ano anterior, enquanto o Nasdaq, composto principalmente por empresas no sector da tecnologia, desceu aproximadamente 25% durante o mesmo período. Para empresas particulares, as perdas foram exponencialmente superiores. Nos casos da Tesla (TSLA), a empresa mais popular de 2021, Netflix (NFLX) e PayPal (PYPL), por exemplo, todas desvalorizaram cerca de 50% desde o início do ano.

Embora seja fácil entrar em pânico face aos atuais declínios, é perfeitamente normal em períodos de conflito económico como este. Assistimos ao crescimento generalizado de aversão ao risco durante este período de incerteza, e não é surpreendente que as ações mais sobrevalorizadas tenham sofrido mais. Recentes aumentos em ambos os índices e em ações individuais durante o último trimestre, juntamente com a confirmação de que a inflação está a abrandar, de acordo com o vice-presidente do BCE Luis de Guindos, podem indicar que os valores mínimos possíveis já foram atingidos. Portanto, traders que adotaram a estratégia de investimento "dollar-cost averaging" (custo médio em dólares) durante 2022, no mercado em queda, podem colher os frutos no novo ano.

O grande congelamento das criptomoedas

Tendo em conta a aversão ao risco instalada recentemente entre investidores, não é chocante que as criptomoedas tenham registado os declínios mais desastrosos entre todas as classes de ativos neste ano. Desde os seus pontos mais altos, tanto Bitcoin como o Ethereum desceram em média 75%, e algumas moedas e tokens menos populares perderam mais de 90% do seu valor durante o mesmo período. Já para não mencionar alguns projetos visivelmente promissores que desapareceram completamente, levando biliões das carteiras dos seus investidores, tais como o Terra e FTX. Como abordámos anteriormente, é normal que os instrumentos mais voláteis e inerentemente arriscados sofram os maiores golpes nos seus mercados precários. Isso não deve dissuadir os investidores de reterem as suas criptomoedas a longo prazo.

No entanto, as falências em massa de vários mineradores públicos com demasiada alavancagem são talvez o aspeto mais preocupante deste inverno no mundo das criptomoedas. A Compute North é um dos nomes de destaque entre as empresas que já desapareceram, e a Core Scientific também está à beira do precipício. Depois de ter sido obrigada a vender todas as suas reservas em moedas para manter as luzes acesas, a empresa sente-se agora forçada a vender os seus sistemas ASIC de última tecnologia a uma fração do seu custo, para o deleite dos seus concorrentes com maior capital. De qualquer forma, quando a tempestade abrandar e as recompensas começarem a emergir, 2023 pode apresentar novos patamares máximos para os ativos digitais. De acordo com a Huobi Global, o BTC deve alcançar o seu valor mínimo de $15.000 em março de 2023, abrindo a porta para uma nova série de subidas nos últimos três trimestres do ano.

Travessuras no mercado Forex 

A elevada volatilidade no mercado das criptomoedas está bem documentada, mas seria de esperar que as moedas tradicionais se mantivessem como uma classe de ativos estável e previsível. Bem, essa mesma tendência foi completamente destroçada em 2022, tendo sido um dos anos mais instáveis de sempre para as moedas fiduciárias. O par de moedas EUR/USD caiu abaixo da sua paridade pela primeira vez em 20 anos, enquanto o valor do dólar continuava a disparar contra a maioria das principais moedas dos restantes cantos do mundo. A inflação foi naturalmente um dos principais fatores que despoletaram este cenário incomum, mas o seu impacto foi exacerbado pelo aumento da procura do dólar mediante a crise dupla de liquidez e energia. Sendo a moeda de reserva do mundo, os participantes do mercado tendem a recorrer ao dólar americano em tempos de tormenta. Sem mencionar que o comércio de petróleo em todo o mundo é processado em USD.

Um dos principais tópicos de debate tem sido a desvalorização do dólar causada pela impressão de dinheiro da Reserva Federal dos EUA, mas na verdade, este dinheiro nunca é escoado para a economia real e, portanto, o seu impacto na oferta do dólar é nulo. Por outro lado, a procura por títulos baseados no dólar, sob a forma de certificados do tesouro a curto prazo no mercado de derivados avaliado em vários triliões, ajudou a aumentar significativamente o valor da moeda nacional dos EUA. Com a Reserva Federal a lidar com as pressões da procura através de aumentos acentuados nas taxas de juro e a antecipada mudança de futuros e opções para títulos físicos em 2022, o ano que se avizinha deverá ser caracterizado pela normalização dos valores cruzados dos pares EUR/USD e GBP/USD para o futuro. Na verdade, a previsão da Citibank para o par EUR/USD em seis a doze meses encontra-se nos $1,05, aumentando para um valor bastante mais familiar de $1,10 a longo termo.

O ouro perdeu o seu brilho?

Desde 2020, logo depois da pandemia atingir o mundo, quase todos os analistas previam uma performance positiva do ouro. É um pensamento lógico, certo? Historicamente, tempos de adversidade e tumulto financeiro foram uma dádiva para o metal amarelo. Períodos de hiperinflação foram os únicos eventos que provaram ser ainda mais lucrativos. Portanto, quando a taxa de inflação atingiu os 10% durante este ano, os fanáticos pelo ouro estavam a prever lucros gigantescos com o seu precioso metal. No entanto, apesar de um primeiro trimestre relativamente positivo, o ouro entrou no último mês de 2022 praticamente com o mesmo valor ($1800 por onça Troy) que apresentou há 12 meses.

Qual é o motivo do seu desempenho dececionante? Tudo se resume ao dólar, claro. Uma vez que os preços do ouro são cotados em USD, o seu valor permaneceu estável durante todo o ano. No entanto, se investigarmos além da superfície, podemos ver que a inflação significou um aumento efetivo do dólar de aproximadamente 10% desde o início do ano. Como resultado, podemos afirmar que o ouro também valorizou proporcionalmente. Confuso, nós sabemos. Mas se avaliarmos o preço por grama em euros, a imagem torna-se bastante mais nítida. Na Europa, os preços spot subiram quase 8%, de €50,49 para €54,53. Desta forma, o ouro cumpriu efetivamente o seu papel, preservando o poder de compra dos seus titulares ao longo deste ano turbulento. Na verdade, analistas da Saxo afirmaram que o ouro poderia "cortar o topo duplo em aproximadamente $2.075 sem resistência e disparar até pelo menos $3.000" em 2023.